Letra de

No Entanto

Arnaldo Antunes

Com a tinta do desprezo e do orgulho
Retoca os fios grisalhos do cabelo
Ostenta o queixo erguido ao pé do espelho
E no entanto nada é mais belo

Engorda, porque já não cabe em si
E aumenta quando senta o vão do vime
Sem dentes, já não morde nem sorri
E no entanto nada é mais sublime

Faz pose para o próximo retrato
Enquanto em suas veias gela o gelo
Com a língua alheia lustra o seu sapato
E no entanto nada é mais singelo

Quanto mais se entope de perfume
Mais aumenta o cheiro putrefato
Nada mais fermenta nesse estrume
E no entanto nada é mais amado

Por favor preencha todos os campos.






Comentários

A música No Entanto de Arnaldo Antunes assim como todas as outras encontradas aqui no Letraz, são de propriedade de seus respectivos autores e são divulgadas somente para fins educacionais, sendo vedada sua reprodução e cópias através de qualquer outros meios. (Lei 9610/98). All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.

© 2017 CONTTEUDO MEDIA GROUP, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.